quinta-feira, 13 de janeiro de 2005

Eu convidava-te para jantar, mas como não fumas...

"Vamos ser intransigentes (com o consumo do tabaco) nos locais em que as pessoas não escolhem ir", afirmou o responsável (Luís Filipe Pereira), citado pela Lusa, referindo-se à proibição de fumar em escolas, instituições de saúde e locais de trabalho fechados. O mesmo já não deve acontecer naqueles onde "as pessoas sabem o que as espera", disse o ministro. É o caso de bares, restaurantes e discotecas.

in Público, 13/1/2005

Claro que este recuo na proposta de lei anti-tabagista não teve nada a ver com a aproximação de eleições legislativas desfavoráveis para o poder político vigente e muito menos com os interesses da Tabaqueira/Phillip Morris. Este acto de cobardia teve como único propósito mostrar aos não fumadores que devem evitar bares, restaurantes, discotecas, concertos e outro locais onde “já sabem o que os espera”, os párias. Agora ficam em casa, que é para não se armarem em esquerdalhas. O que vale é que há sempre a Telepizza.