sábado, 15 de janeiro de 2005

Porto me mata, carago (1).

Malas aviadas, passaportes em dia, visto diplomático na bagagem, os três pastelinhos rumaram a norte no Alfa Penduricalho, esse portento da física moderna. De tudo o que vimos e comemos, a reter: Paula Rego é, nas palavras de um pastel bem nosso conhecido, "um torpedo na casa das máquinas", Serralves é "o" museu nacional, os bilhetes de comboio são para se guardar na carteira e os mini-bares servem mini-bebidas que nos deixam mini-bêbedos. As imagens da catástrofe, já a seguir.