segunda-feira, 9 de maio de 2005

Saudades do arroz do hospital (1).

(Começa uma aqui uma série de posts dedicados a pancadas, idiossincrasias e comichosiçes afins, aberta à vossa participação. O mail está mesmo aqui em cima.)

Tenho uma relação com objectos que emitem luz (i.e., candeeiros) muito semelhante à que a maioria das mulheres tem com os sapatos - não consigo resistir a comprar mais um, mesmo sabendo que tenho dezenas, alguns deles por ligar, sei que nunca os vou conseguir usar todos e esta idiossincasia (como a outra) é, amiúde, motivo de animada troca de galhardetes conjugal.

A última aquisição de uma colecção que ultrapassa perigosamente as vinte, trinta unidades (o que, num T1, roça a estupidez) é uma telefunken in disguise. Lá dizia o Wilde, resisto a tudo excepto a um candeeiro.