quarta-feira, 15 de fevereiro de 2006

Acessibilidades (1).

No autocarro, um jovem universitário de inclinações estéticas encostadas à esquerda (patentes, sobretudo, na malha que envergava e na barba deliberadamente descuidada) lia. Curioso, debrucei-me sobre o objecto de interesse, confesso, na esperança de obter uma confirmação de um palpite que me parecia vencedor - Nietzsche, Mário de Sá Carneiro ou Rilke, pensei eu, mas se fosse uma corrida de cavalos, pela edição de bolso, apostava no "Anticristo". Não só perdi a aposta, como perdi o dia - as epístolas de Pedro, com aquele casaco e aquela barba? À juventude de hoje falta-lhe, sobretudo, coerência.