terça-feira, 27 de março de 2007

Mesmo quando calha estarmos perto dos países nórdicos, afinal não calha.

A primeira e última vez que vi uma repescagem tornar-se pertinente e inédita foi há uns anos atrás num euro qualquer da vida, em que foram buscar a selecção da Dinamarca, que não tinha sido apurada, mas que depois sagrou-se campeã da Europa. Por aqui repescaram o Salazar.

(Mas eu é que sou estúpido e não fui ao Bet and Win apostar o meu milhar de euros, quando o Salazar foi eleito o Pior Português de sempre. Estava na cara que num país tão esquizo o resultado fosse o mesmo para o melhor e para o pior.)