segunda-feira, 7 de maio de 2007

Fogo, Ota vêz!

No que à localização do novo aeroporto diz respeito, pelo menos um terço deste blogue, é frontalmente a favor.

O mais curioso são os deputados da oposição, que ainda assinam artigos de imprensa em que utilizam expressões como "...senão esta decisão torna-se irrevogável...", como princípio primário de conversa. Ou seja, assumem que o novo aeroporto ainda pode ser que não seja na Ota.

Portuguesas e portugueses, onde vai ser o novo aeroporto funcionou uma base aérea militar durante décadas sem nenhum bombardeiro se ter afogado num pântano. Por isso, opositores ou cépticos, ide-vos coçar com a vossa conversa de medricas. Devem ser os mesmos que falaram contra a construção do Centro Cultural de Belém e agora vão para lá passear aos Domingos à tarde porque os Colombos da vida são monumentos ao consumismo. Tristes do caneco. Palhaços até. Se calhar até falaram mal da Expo98. E quem diz da Expo diz do Euro 2004.

Cambada de losers.

Se calhar queriam ser vocês a contar as moedinhas do governo e a dividi-las em saquinhos tipo este montinho para aqui, este para ali e este para a Cinemateca. Para a Cinemateca sim, e para o King mas para o Museu de Arte Moderna de Sintra não, que esse é do Berardo e por isso não se pode. Aliás aprendi com a minha mãe a seccionar bem as coisas. Ela diz que não gosta do Sérgio Godinho porque ele é comunista e eu não gosto do Andy Warhol porque é americano e porque o Berardo tem dinheiro para comprar quadros dele. Mas por outro lado o gordo da Madeira tem coisas giras e até as vai pôr no CCB. Estou baralhadito, é melhor ir ler o Público que me faz melhor.