quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Um grande bem haja, Felipão.

Não fora a (falhada) sessão de pugilato do seleccionador nacional estrangeiro mais português de Portugal (tanto que já apanhou o jeito de pesos plumas como Sá e João Pinto), e os nossos medianamente medíocres telejornais continuariam a abrir com o diário da mãe da Maddie. Se calhar sou só eu, mas se tivesse chacinado uma criança e mantivesse um diário, era indivíduo para evitar relatá-lo no dito livrinho. Vá, amigos da PJ e do TIC, continuem lá a leitura, que aquilo ainda vai ser adaptado ao cinema pelo Leonel Vieira com argumento adaptado pelo Paulo Coelho. Eu cá punha a Margarida Vila Nova a fazer da defunta - a proximidade da maturidade intelectual da "actriz" e da "pequena" Maddie iria trazer verosimelhança ao personagem. Tipo, sei lá.